Uma perspectiva da Clínica Ampliada: as práticas da Psicologia na Assistência Social

Ana Paula da Silva Dettmann, Elizabeth Maria Andrade Aragão, Lilian Rose Margotto

Resumo


O cenário contemporâneo da Política Pública de Assistência Social é apresentado através da Psicologia Institucional, que direciona a uma certa visão da Psicologia sobre a Política de Assistência Social. O objetivo da presente pesquisa foi investigar a visão dos psicólogos sobre essa política e as práticas que eles próprios desenvolvem. Os depoimentos de onze psicólogos atuantes na Política e no Fórum de Trabalhadores do SUAS, investigados pela História Oral, apresentaram as práticas da Psicologia na Assistência Social, tendo sido destacada a questão do poder entremeado às estratégias biopolíticas de controle e resistências, que ora reproduzem normatizações, ora produzem linhas de fugas. Ainda, ressaltou a perspectiva da Clínica Ampliada com as possibilidades de transformação dos sujeitos e da sociedade, a partir de uma visão clínica e crítica da Psicologia e da Política de Assistência Social.

Palavras-chave


Psicologia; Assistência Social/SUAS; Clínica Ampliada

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, S. História da Psicologia no Brasil: origens nacionais. In: JACÓ-VILELA, A. M.; JABUR, F.; RODRIGUES, H. B. C. (Org.). Clio-psyché: histórias da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, NAPE, 1999. Disponível em: http://www.cliopsyche.uerj.br/livros/clio1/historiadapsicologia.htm. Acesso em: 5 nov. 2011.

ALBERTI, V. Ouvir e contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

AGAMBEM, G. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua. Tradução de Henrique Búrigo. Belo Horizonte, UFMG, 2002. v. 1.

ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

ARENDT, H. O que é Política? Tradução de Reinaldo Guarany. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BARAÚNA, L. M. P. B. Da História da Psicologia para uma História na Psicologia. In: JACÓ-VILELA, A. M.; JABUR, F.; RODRIGUES, H. B. C. (Org.). Clio-psyché: histórias da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, NAPE, 1999. Disponível em: http://www.cliopsyche.uerj.br/livros/clio1/dahistoriadapsicologiapara.htm. Acesso em: 5 nov. 2011.

BENEVIDES DE BARROS, R. Clínica e social: polaridades que se opõem/complementam ou falsa dicotomia. In: RAUTER, C.; PASSOS, E.; BENEVIDES DE BARROS, R. (Org.). Clínica e política: subjetividade e violação dos direitos humanos. Equipe Clínico-Grupal, Grupo Tortura Nunca Mais – RJ. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/ TeCorá, 2002. p. 123-139.

BENEVIDES DE BARROS, R.; PASSOS, E. Clínica e biopolítica na experiência do contemporâneo. Psicologia Clínica, v. 13, n. l, p. 89-100, 2001.

BENEVIDES DE BARROS, R. PASSOS, E. A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, jul.-set. 2005. p. 561- 571. CrossRef

BENJAMIN, W. Sobre o conceito da História. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. In: ______. Obras escolhidas: magia, técnica, arte e política. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. v. 1, p. 222-253.

BOCK, A. M. M.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. São Paulo: Saraiva, 1999.

CATHARINO, T. R. Fragmentos da História da Psicologia no Brasil - algumas notações sobre teoria e prática. In: JACÓ-VILELA, A. M.; JABUR, F.; RODRIGUES, H. B. C. (Org.). Clio-psyché: histórias da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, NAPE, 1999. Disponível em: http://www.cliopsyche.uerj.br/livros/clio1/fragmentosdahistoria.htm. Aceso em: 5 nov. 2011.

COIMBRA, C. M. B. Práticas “Psi” no Brasil do “Milagre”: algumas de suas produções. In: JACÓ-VILELA, A. M.; JABUR, F.; RODRIGUES, H. B. C. (Org.). Clio-psyché: histórias da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, NAPE, 1999. Disponível em: http://www.cliopsyche.uerj.br/livros/clio1/praticaspsinobrasildomilagre.htm. Acesso em: 05 nov. 2011.

COIMBRA, C. M. B. et al. Intervenão clínica quanto à violação dos Direitos Humanos: por uma prática desnaturalizadora na teoria, na ética, na política. In: RAUTER, C.; PASSOS, E.; BENEVIDES DE BARROS, R. (Org.). Clínica e política: subjetividade e violação dos direitos humanos. Equipe Clínico-Grupal, Grupo Tortura Nunca Mais – RJ. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/ TeCorá. 2002. p. 113-121.

DELEUZE, G. Conversações. Tradução de Peter Pal Pelbart. São Paulo: Editora 34,1992.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DUARTE, A. M. Biopolítica e resistência: o legado de Michel Foucault. In: RAGO, M.; VEIGA-NETO, A. (Org.). Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. v. 1, p. 45-56.

FERREIRA, M. S. Walter Benjamin e a questão das narratividades. Mnemosine, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 121-133, 2011. Disponível em: http://www.mnemosine.com.br/ojs/index.php/mnemosine/article/view/233/pdf_218. Acesso em: 22 ago. 2013.

FOUCAULT, M. A Governamentabilidade. In: MACHADO, R. (Org.). Microfísica do Poder. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984b. p. 163-174

FOUCAULT, M. A história da sexualidade: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 7. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985. v. 1.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: HUBERT; DREYFUS; RABINOW. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução de Vera Porto Carrero e Gilda Gomes Carneiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France. Tradução de. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2000. Coleção Tópicos.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população. Curso no Collège de France. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008. Coleção Tópicos.

GONÇALVES, M. G. M. Psicologia Sócio-Histórica e Políticas Públicas: a dimensão subjetiva de fenômenos sociais. 2003. Tese (Doutorado)—Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão: guerra e democracia na era do Império. Tradução de Clovis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2005.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórica-metodologica. São Paulo: Cortez, 2001.

JACÓ-VILELA, A. M. Psicologia: um saber sem memória? In: JACÓ-VILELA, A. M.; JABUR, F.; RODRIGUES, H. B. C. (Org.). Clio-psyché: histórias da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, NAPE, 1999. Disponível em: http://www.cliopsyche.uerj.br/livros/clio1/umsabersemmemoria.htm. Aceso em 05 nov. 2011.

KEIDE, R.; JACÓ-VILELA, A. M. “Mens in corpore”: o positivismo e o discurso psicológico do século XIX no Brasil. In: JACÓ-VILELA, A. M.; JABUR, F.; RODRIGUES, H. B. C. (Org.). Clio-psyché: histórias da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, NAPE, 1999. Disponível em: http://www.cliopsyche.uerj.br/livros/clio1/mensincorpore.htm. Acesso em: 5 nov. 2011.

LAZARATTO, M. Puissances de l’invention. Paris, Les Empêcheurs de penser em rond, 2002.

MACHADO, L. A. D. Subjetividades contemporâneas. In: BARROS, M. E. B. (Org.). Psicologia: questões contemporâneas. Vitória: EDUFES, 1999. p. 231-247.

MANCEBO, D. Formação em Psicologia: gênese e primeiros desenvolvimentos. In: JACÓ-VILELA, A. M.; JABUR, F.; RODRIGUES, H. B. C. (Org.). Clio-psyché: histórias da psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, NAPE, 1999. Disponível em: http://www.cliopsyche.uerj.br/livros/clio1/formacaoempsicologia.htm. Acesso em: 5 nov. 2011.

MOURÃO, J. C.; JORGE, M. A.; FRANCISCO, S. A. Violência organizada, impunidade e silenciamento. In: RAUTER, C.; PASSOS, E.; BENEVIDES DE BARROS, R.(Org.). Clínica e política: subjetividade e violação dos direitos humanos. Equipe Clínico-Grupal, Grupo Tortura Nunca Mais – RJ. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/ TeCorá. 2002. p. 51-58.

NEGRI, A. O poder constituinte: ensaio sobre as alternativas da modernidade. Tradução Adriano Pilatti. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

NEGRI, A.; HARDT, M. Império. Rio de Janeiro: Record, 2000.

NEVES, C. A. B.; JOSEPHSON, S. C. A crítica como clínica. In: MACHADO, L. D.; LAVRADOR, M. C. C.; BARROS, M. E. B. (Org.). Texturas da Psicologia: subjetividade e política no contemporâneo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001. p. 99-108.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 5. ed. Campinas, SP: Pontes, 2003.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi. Campinas, SP: Pontes, 1990.

PELBART, P. P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminiras, 2009.

PEREIRA, F. M.; PEREIRA NETO, A. O psicólogo no Brasil: notas sobre seu processo de profissionalização. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 8, n. 2, p. 19-27, jul.-dez. 2003. CrossRef

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

ROSAS, P. S. O dilema da Psicologia Contemporânea. Revista Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 30, n. esp., p. 43-90, dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000500003. Acesso em: 22 set. 2013.

SOARES, A. R. A Psicologia no Brasil. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 30, n. esp., p. 10-41, dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000500002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 12 ago. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: