Práticas corporais e artísticas: aprendizagem inventiva e cuidado de si

Flavia Liberman, Elizabeth Maria Freire de Araújo Lima, Viviane Santalucia Maximino, Yara Maria de Carvalho

Resumo


Nos últimos anos temos trabalhado com as práticas corporais e artísticas na formação, e junto a comunidades, em serviços de saúde e espaços de produção artística, entendendo que essas práticas promovem a produção de cuidado, o encontro e o aumento de potência de vida, segundo uma ética que resiste aos modelos prescritivos, normativos e excludentes, incidindo nos processos de subjetivação. Aqui apresentamos experimentações com o corpo, que envolvem a dança, a música, as artes e a escrita, e discutimos as relações entre Aprendizagem Inventiva, experiência estética e o cuidado de si, tomados como referências conceituais para pensar os corpos em estado de presença, produzindo conexões, inventividade e um voltar-se para si com implicações coletivas, políticas, clínicas e estéticas que movimentam o pensamento, os corpos e a vida.


Palavras-chave


práticas corporais; formação em saúde; cuidado de si; aprendizagem inventiva; experiência estética

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, F. S.; CARVALHO, Y. M. A Educação Física no plano da experiência: implicações na pesquisa e na intervenção profissional e docente. Pensar a Prática, Goiânia, v. 18, n. 1, p. 223-233, jan./mar. 2015. doi.org/10.5216/rpp.v18i1.28873.

ALVES, F. S.; CARVALHO, Y. M.; DIAS, R. A “escrita de si” na formação em Educação Física. Movimento: Revista de Educação Física da UFRGS, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 239-258, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

BAREMBLITT, G. F. Compêndio de Análise Institucional e outras correntes: teoria e prática. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1992.

BARROS, R. D. B. Dispositivos em ação. Cadernos de subjetividade [Dossiê: Gilles Deleuze], São Paulo, v. 4, n. 1, p. 97-106, 1996.

CALLE, S. Prenez soin de vous. Exposition mise en scène par Daniel Buren. Bibliothèque nationale de France, 2008. Disponível em: . Acesso em :10 nov. 2016.

CARVALHO, Y. M. Apresentação. In: JUNQUEIRA, S. R.; CARVALHO, Y. M. Formação em saúde: experiências nos serviços e inovações coletivas. São Paulo: Yendis, 2016. p. 9-10.

DELEUZE, G. O Abecedário de Gilles Deleuze, A de animal. Transcrição integral do vídeo. Disponível em: . Acesso em :10 nov. 2016.

DELEUZE, G. Crítica e Clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELEUZE, G. Michel Foucault. In: ______. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000. p. 103-147.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DEWEY, J. A arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FAVRE, R. Presença. Laboratório do Processo Formativo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 1985. v. 3.

FOUCAULT, M. A ética do cuidado de si como prática de liberdade. In: MOTTA, M. B. da (Org.). Ética, Sexualidade e Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. Coleção Ditos & Escritos, v. 5, p. 264-287.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografia do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

KASTRUP, V. Aprendizagem, arte e invenção. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 1, p. 17-27, jan./jun. 2001. doi.org/10.1590/S1413-73722001000100003.

KASTRUP, V. Cartografias Literárias. Revista do Departamento de Psicologia - UFF, Niterói, v. 14, n. 2, p. 23-38, 2002.

KASTRUP, V. A aprendizagem da atenção na cognição inventiva. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 16, n. 3, p. 7-16, set./dez. 2004. doi.org/10.1590/S0102-71822004000300002.

KASTRUP, V. O devir-consciente em rodas de poesia, Revista do Departamento de Psicologia - UFF, Niterói, v. 17, n. 2, p. 45-60, jul./dez. 2005.

KASTRUP, V. O Funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 19, n. 1, p. 15-22, jan./abr. 2007. doi.org/10.1590/S0102-71822007000100003.

KASTRUP, V. Experiência estética para uma Aprendizagem Inventiva: notas sobre acessibilidade de pessoas cegas a museus. Informática na educação: teoria e pratica, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 38-45, jul./dez, 2010.

KELEMAN, S. Anatomia emocional. São Paulo: Summus, 1992.

LARROSA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002. doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003.

LARROSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autentica, 2010.

LIBERMAN, F. Delicadas coreografias: instantâneos de uma terapia ocupacional. São Paulo: Summus, 2008.

LIBERMAN, F.; MAXIMINO, V. (Org.). Planos grupais e experiência estética: friccionando ideias, emoções e conceitos. In: ______. Grupos e Terapia Ocupacional, formação, pesquisas e ações. São Paulo: Summus, 2015. p. 115-127.

LIMA, E. M. F. A. Por uma arte menor: ressonâncias entre arte, clínica e loucura na contemporaneidade. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 10, n. 20, p. 317-329, jul./dez. 2006. doi.org/10.1590/S1414-32832006000200004.

PASCUAL, J. G., JUSTA, R. A Aprendizagem Inventiva no ensino de psicologia. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 61, n. 3, p. 23-34, dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2010.

ROLNIK, S. Pensamento, corpo e devir: uma perspectiva ético/ estético/ política no trabalho acadêmico. Cadernos de Subjetividade, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 241-251, 1993.

ROLNIK, S. Uma insólita viagem à subjetividade: fronteiras com a ética e a cultura. 1997. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

ROLNIK, S. Una conversación con Suely Rolnik (Universidad católica de Sao Paulo). [2015]. Re-visiones, Madrid, n. 5, 2015. Entrevista concedida a Aurora Fernández Polanco e Antonio Pradel. Disponível em: . Acesso em:10 nov. 2016.

SANCOVSCHI, B.; KASTRUP, V. Práticas de estudo contemporâneas e a aprendizagem da atenção. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 25, n. 1, p. 193-202, 2013. doi.org/10.1590/S0102-71822013000100021.

SILVA, F. L. Por que filosofia no segundo grau. Estudos Avançados. São Paulo, v. 6, n. 14, p. 157-166, jan./abr. 1992. doi.org/10.1590/S0103-40141992000100010.

SPINOZA, B. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i2/2163

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: