Corpo de Afetos: entre o apego emocional e o movimento dançado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5741

Palavras-chave:

afeto, intensidade, movimento, percepção sensório-motora, transformação

Resumo

O afeto é experienciado pelo bailarino em um nível energético básico: uma necessidade de respirar – inspirar o mundo no corpo e expirar o corpo no mundo. Neste movimento de afeto, o bailarino experiencia um processo de transformação corporal como necessidade vital. Este estudo confronta a percepção sensório-somática do afeto como força de movimento experienciada pela prática da dança, com o afeto compreendido como vínculo emocional entre indivíduos estudado por um campo da psicologia do desenvolvimento. Atribuindo voz ao conhecimento da dança e usando a teoria de Metáforas Cognitivas de Lakoff e Johnson, procura-se aprofundar a origem do sentido de afeto e compreender como ocorre a sua transferência de sentido entre a dança e a psicologia. Em ambos campos, o afeto revela-se como força de sobrevivência, porém, a dança compreende o afeto no nível pré-pessoal, como força da relação corpo-mundo, enquanto uma parte da psicologia do desenvolvimento entende o afeto no nível de necessidades de um corpo já subjetivado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecília de Lima Teixeira, Universidade de Lisboa, Lisboa

Professora Convidada da Universidade de Lisboa – Faculdade de Motricidade Humana – licenciatura em Dança. Em paralelo, tem colaborado como Professora Convidada na Universidade Aberta - curso de Doutoramento em Digital-Media Arte. Desde 2014 integra o Editorial Advisory Board do Journal of Dance & Somatic Practices. Doutorada (como bolseira da FCT) pela Universidade de Lisboa – FMH, na especialidade de Dança. Mestre em coreografia pela Faculdade de ArtesArtEZ (Holanda), com bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Desenvolve a sua carreira como coreógrafa e bailarina desde 1999, trabalhando com diversos criadores europeus. Em 2001 tornou-se cofundadora da companhia Canvas Performing Art (Holanda), onde, durante seis anos, cocriou diversas performances interdisciplinares. Em paralelo, lecionou em diversas universidades, destacando-se: Amsterdam Faculty of Arts -Modern Dance e Arnhem ArtEZ Faculty of Arts (NL). Tem vindo a desenvolver investigação no Instituto de Etnomusicologia - Música e Dança (INET-md), no campo da relação da prática de dança com fenomenologia, ciências cognitivas e práticas somáticas, como também no âmbito da educação pela arte e da dança em expansão tecnológica. O seu trabalho tem vindo a ser publicado em revistas de circulação internacional e em vários encontros científicos.

Gilead Marchezi Tavares, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES

Possui graduação, mestrado e doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana/UERJ (2011) e no Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança/FMH/Universidade de Lisboa (2018). É professora Associada do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional da Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em processos psicossociais da participação e da exclusão, processos de subjetivação e instituições sociais e processos cognitivos, atuando principalmente nos seguintes temas: exclusão social, direitos humanos, direitos da infância e juventude e processos de aprendizagem. Coorganizadora do livro “Cartas para pensar políticas de pesquisa em psicologia (2014) e Coautora dos livros “Juventude e risco: abrindo a sede ao meio no deserto das práticas de assistência social” (2017) e “Entre riscos e vínculos: a atuação da psicologia na assistência social” (2018).

Referências

AINSWORTH, Mary D. Salter; BOWLBY, John. An ethological approach to personality development. American Psychologist, v. 4, n. 46, p. 333-341, 1991.

ANDRADE, Carlos Drummond. Fazendeiros do Ar. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BOWLBY, John. Attachment and loss (1907). London: Hogarth, 1969. v. 1.

BRONFENBRENNER, Urie; EVANS, Gary W. Developmental science in the 21st century: emerging questions, theoretical models, research designs and empirical findings. Social development, v. 1, n. 9, p. 115-125, 2000.

DAMÁSIO, António. The feeling of what happens: body and emotion in the making of consciousness. London: Vintage Books, 2000.

DAMÁSIO, António. Ao encontro de Espinosa. Lisboa: Publicações Europa América, 2003.

DAMÁSIO, António. O livro da consciência: a construção do cérebro consciente. Lisboa: Circulo de Leitores, 2010.

DEMOS, Virginia E. (Ed.). Exploring affect: the selected writings of Silvan S. Tomkins. Cambridge: University Press, 1995.

EDELMAN, Gerald M. Biologia da Consciência: as raízes do pensamento. Lisboa: Instituto Piaget, 1992.

ESPINOSA, Baruch de. Pensamentos metafísicos. Tratado da correção do intelecto. Ética. Tratado político. Correspondência. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os pensadores).

FRALEY, R. Chris; GILLATH, Omri; KARANTZAS, Gery C. Adult attachment: a concise introduction to theory and research. New York: Elsevier Academic Press, 2016.

GIBBS Jr., Raymond W. Embodiment and Cognitive Science. Cambridge UK: Cambridge University Press, 2005.

GIBSON, James J. The senses considered as perceptual systems. Connecticut: Greenwood Press, 1966.

HARLOW Harry F. The nature of love. American Psychologist, v. 12, n. 13, p. 673-685, 1958.

HARLOW, Harry F.; ZIMMERMANN, Robert R. Affectional responses in the infant monkey. Science, v. 130, n. 3373, p. 421-432, 1959.

HORTA, Rui. O corpo em constante aprendizagem e esquecimento – entrevista concedida a Cláudia Galhós. In: TNSJ et al. (Ed.). Rui Horta x Quatro. Porto: Centro de Edições do TNSJ, 2006.

JOHNSON, Mark. The body in the mind: the bodily basis of meaning, imagination, and reason. Chicago: University of Chicago Press, 1990.

JOHNSON, Mark. Embodied meaning and cognitive science. In: LEVIN, David M. (Ed.). Language beyond postmodernism: saying and thinking in gendlin's philosophy. USA: Evanston Northwestern University Press, 1997. p. 148-175.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Conceptual metaphor in everyday language. The Journal of Philosophy, v. 8, n. 77, p. 453-486, 1980.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Philosophy in the flesh: the embodied mind and its challenge to western thought. New York: Basic Books, 1999.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Metaphors we live by. Chicago and London: University of Chicago Press, 2003.

LIMA, Cecília de. Trans-meaning – dance as an embodied technology of perception. Journal of Dance and Somatic Practices, v. 1, n. 5, p.17-30, 2013.

MASSUMI, Brian. Parables for the virtual: movement, affect, sensation. London: Duke University Press, 2002.

MANTERO, Vera; GIL, José. A riqueza de espírito, movimento intenso. In: LEPECKI, André (Ed.). Theaterschrift extra –intensificação: performance contemporânea portuguesa. Lisboa: Cotovia, 1998. p. 33-60.

MATURANA, Humbert R.; VARELA, Francisco J. Autopoiesis and cognition: the realization of the living. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company, 1980.

PONTES, F. et al. Teoria do apego: elementos para uma concepção sistémica da vinculação humana. Aletheia, n. 26, 67-79. 2007. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=115013567007. Acesso em: 21 out. 2016.

PSYCHIATRIC GLOSSARY. Disponível em: http://www.priory.com/gloss.htm. Aceso em: 5 mar. 2014.

SAPOLSKY, Robert. Are humans just another primate?. Conferência [online]. 2 mar. 2011. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=YWZAL64E0DI. Acesso em: 1 jul. 2015.

SEIGWORTH, Gregory J. From affection to soul. In: STIVALE, Charles J. (Ed). Gilles Deleuze key concepts. Montreal & Kingston Ithaca: McGill Queen’s University Press, 2005. p. 159-169.

SHOUSE, Eric. Feeling, Emotion, Affect. M/C Journal, v. 6, n. 8, 2005. Disponível em: http://journal.media-culture.org.au/0512/03-shouse.php. Acesso em: 16 maio 2012.

SIMONDON, Gilbert. L’individuation psychique et collective. Paris: Flammarion, 2007.

TAVARES, Gonçalo M. Breves notas sobre a ciência. Lisboa: Relógio d’Água, 2006.

TRISTÃO, Valeska Campos. (Com) viver e (com) fiar uma rede quente na experiência sensível de vinculação afetiva: uma análise das práticas de acolhimento infanto-juvenil no município de Vitória/ES. 2015. 121f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Institucional) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

Downloads

Publicado

2020-03-08

Como Citar

de Lima Teixeira, C., & Tavares, G. M. (2020). Corpo de Afetos: entre o apego emocional e o movimento dançado. Fractal: Revista De Psicologia, 32(1), 99-107. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5741

Edição

Seção

Artigos