Corpos, subjetivações estéticas e arte e feminismos: passagens na pesquisa em psicologia

Roberta Stubs, Fernando Silva Teixeira-Filho, Dolores Galindo, Danielle Milioli

Resumo


Tendo em vista o ativismo dos feminismos, tanto nos movimentos sociais quanto nas artes, na promoção de novos modos de subjetivação e modos de existência múltiplos e voltados às práticas de liberdade, propomo-nos a refletir sobre os fazeres artísticos feministas em passagens políticas que se valem de uma força inventiva/afirmativa do corpo enquanto estratégia de subversão e resistência para propor outras formas de viver, inclusive, a pesquisa em Psicologia.

Palavras-chave


Arte feminista; Pesquisa em Psicologia; Subjetividade estética; Feminismo; Arte e Psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, L. Louise Bourgeois: Tate Modern. Artecapital, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2015.

ARCHER, M. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BENTO, C. O gênero atuante: a performance de gênero em The passion of new Eve and Goodnight Desdemona (Good morning Juliet). 2007. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2012.

BOURGEOIS, L. Maman. 1999. Escultura.

BOURGEOIS, L. Louise Bourgeois: destruição do pai reconstrução do pai: escritos e entrevistas 1923-97. São Paulo: Cosac Naify, 2000.

BOVENSCHEN, S. ¿Existe una estética feminista? In: ECKER, G. (Org.). Estetica Feminista. Barcelona: Icara, 1985. p. 21-58.

NOCHLIN, L. Why have there been no great woman artists? In: NOCHLIN, L. Women, Arte and Power and Other Essays. Boulder: Westview, 1988. p. 147-158.

BUTLER, J. Problemas de Gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

COSTA, C. Leticia Parente: a videoarte e a mobilização do corpo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2014.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. L’Anti-Edipe: capitalisme et schizophrénie. Paris: PUF, 1972.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

FRIEDAN, B. Mística feminina. Petrópolis: Vozes, 1971.

HAYWARD, S. Cinema Studies: the key concepts. London: Routledge, 2003.

HEMMINGS, C. Telling feminist stories. Feminist Theory, v.6, n.2, p.115-139, 2011.

HOOKS, B. Ain’t I a woman: black women and feminism. New York: South End Press, 1981.

LAURETIS, T. D. Technologies of gender: essays on theory, film and fiction. Bloomington: Indiana University Press, 1989.

LAZZAROTTO, G. Experimentar. In: FONSECA, T. M. G.; NASCIMENTO, M. L.; MARASCHIN, C. (Org.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 25-27.

MACHADO, A. Made in Brasil: três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Itaú Cultural, 2003.

MEAGHER, M. Telling stories about feminist art. Feminist Theory, v. 12, n. 3, p. 297-316, 2011.

BOVENSCHEN, S. ¿Existe uma estética feminista? In: ECKER, G. (Org.). Estetica Feminista. Barcelona: Icaria, 1985. p. 21-58.

NOCHLIN, L. Why have there been no great woman artists? In: ______. Women, arte and power: and other essays. Boulder: Westview, 1988. p. 147-158.

OLIVEIRA, A. M. Do Ilusionismo à paisagem-simulacro. Concinnitas, v. 2, n. 19, 2011. p. 72-85.

PISCITELLI, A. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, L. (Org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Campinas, SP: IFCH-Unicamp, 2002. p. 1-25. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

PRECIADO, B. Volver a la human house. 3 oct. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2015.

RAGO. M. Epistemologia feminista, gênero e história: masculino, feminino, plural. Florianópolis: Mulheres, 1998. p. 25-37.

RAGO, M. Trabalho feminino e sexualidade. In: PRIORE, M. del. (Org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006. p. 578-606.

ROLNIK, S. Molda-se uma alma contemporânea: o vazio-pleno de Lygia Clark. In: CARVAJAL, R; RUIZ, A. The Experimental Exercise of Freedom: Lygia Clark, Gego, Mathias Goeritz, Hélio Oiticica and Mira Schendel. Los Angeles: The Museum of Contemporary Art, 1999. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2015.

ROLNIK, S. Subjetividade em obra: Lygia Clark, artista contemporânea. In: BARTUCCI, G. (Org.). Psicanálise, Arte e Estéticas de subjetivação. Rio de Janeiro: Imago, 2002. p. 365-381.

RUBIN, G. O tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo (1975). Recife: S.O.S. Corpo, 1993a.

RUBIN, G. Thinking Sex: notes for a radical theory of the politics of sexuality. In: ABELOVE, H.; BARALE, M. A.; HALPERIN, D. M. (Org.). The lesbian and gay studies reader. New York: Routledge, 1993b. p. 3-44.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

TEIXEIRA-FILHO, F. S. Subjetividade estética: o gesto da sensação. 1993. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1993.

TEJO, C. Persistência da Consciência: marcas da identidade. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2014.

WOMANHOUSE. Direção: Johanna Demetrakas. USA: [s.n.], 1974. 1 DVD.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: