As relações entre as famílias e a equipe do CRAS

Roberta Carvalho Romagnoli

Resumo


Esse texto trata da perspectiva das famílias acerca dos trabalhos desenvolvidos em um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) de Belo Horizonte, enfatizando as relações estabelecidas com a equipe. Essa discussão se fundamenta nos resultados parciais da pesquisa financiada pelo CNPq/FAPEMIG que tem como objetivo analisar as relações no território de um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) em Belo Horizonte, enfocando o modo de gestão do trabalho social entre a equipe e com as famílias. Esse estudo tem a pesquisa-intervenção como metodologia e as ideias de Deleuze e Guattari como marco teórico. A partir das assembleias, das entrevistas semiestruturadas individuais e coletivas realizadas com a equipe e com as famílias, concluímos que a relação da equipe com a família ainda é um desafio no espaço cotidiano do CRAS, bem como a sustentação da promoção social. Esses desafios emergem em pontos como favor, julgamento e responsabilização das mulheres.


Palavras-chave


assistência social; pesquisa intervenção; proteção social básica; família; intervenção social

Texto completo:

PDF

Referências


AMADOR, F. S.; LAZZAROTTO, G. D. R.; SANTOS, N. I. S. Pesquisar-agir, pesquisar-intervir, pesquisar-interferir. Revista Polis e Psique, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 228-248, 2015. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/58180/pdf_26. Acesso em: 22 mar. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. 1993. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8742compilado.htm. Acesso em: 21 jun. 2015.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social. Brasília: Secretaria Nacional de Assistência Social, 2004.

BRONZO, C. Vulnerabilidade, empoderamento e metodologias centradas na família: conexões e uma experiência para reflexão. In: BRASIL. Concepção e gestão da proteção social não contributiva no Brasil. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome/UNESCO, 2009. p. 171-201.

CUNHA, E. P.; CUNHA, E. S. M. Políticas públicas sociais. In: CARVALHO, A. et al. (Org.). Políticas públicas. Belo Horizonte: UFMG/PROEX, 2002. p. 11-25.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Micropolítica e segmentaridade. In: ______. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996. v. 3, p. 83-115.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

GODINHO, A. Linhas de estilo: estética e ontologia em Gilles Deleuze. Lisboa: Relógio d’Água, 2007.

GUEIROS, D. A.; SANTOS, T. F. S. Matricialidade sociofamiliar: compromisso da política de assistência social e direito da família. Serviço Social & Saúde, Campinas, v. 10, n. 12, p. 73-97, dez. 2011. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634842/3366. Acesso em: 20 mar. 2015.

KASTRUP, V. O método da cartografia e os quatro níveis da pesquisa-intervenção. In: CASTRO, L. R.; BESSET, V. L. (Org.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Trarepa/FAPERJ, 2008. p. 465-489.

MEYER, D. E.; KLEIN, C.; FERNANDES, L. P. Noções de família em políticas de ‘inclusão social’ no Brasil contemporâneo. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 433-449, ago. 2012. doi: 10.1590/S0104-026X2012000200005

MONCEAU, G. Effets d’une pratique clinique de recherche. In: KOHN. R. C. (Org.). Pour une démarche clinique engagée. Paris: L’Harmattan, 2013. p. 91-104.

MONTEIRO, S. R. da R. P. O marco conceitual da vulnerabilidade social. Sociedade em Debate, Pelotas, v. 17, n. 2, p. 29-40, 2011. Disponível em: http://www.rsd.ucpel.tche.br/index.php/rsd/article/view/695. Acesso em: 14 mar. 2015.

OLIVEIRA, C. M. C.; HECKERT, A. L. C. Os centros de referência de assistência social e as artes de governar. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 25, n. 1, p. 145-160, jan/abr. 2013. doi: 10.1590/S1984-02922013000100010

ROCHA, A. P. L. Cuidado com a velhice: interdisciplinaridade e intersetorialidade. 2013. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Belo Horizonte, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v21n3/v21n3a14.pdf. Acesso em: 5 dez. 2014.

ROCHA, M. L.; AGUIAR, K. F. Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 23, n. 4, p. 64-73, dez. 2003.

ROMAGNOLI, R. C. O conceito de implicação e a pesquisa-intervenção institucionalista. Psicologia e Sociedade. Belo Horizonte, v. 26, n. 1, abr. 2014. doi: 10.1590/S0102-71822014000100006

ROMAGNOLI, R. C. O ideal de família e seus efeitos no cotidiano dos agentes sociais. In: ROMAGNOLI, R. C.; DIMENSTEIN, M. (Org.). Cotidiano e processos de subjetivação: aprisionamentos e expansões. Vitória: EDUFES, 2015. p. 177-195.

SANTOS, N. L.; ROESCH, D.; CRUZ, L. R. Vulnerabilidade e risco social: produção de sentidos no campo socioassistencial. Revista Jovens Pesquisadores, v. 4, p. 119-127, 2014.

SCHEINVAR, E. A família como dispositivo de privatização do social. Arquivos brasileiros de psicologia, Rio de Janeiro, v. 58, n. 1, p. 48-57, jun. 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672006000100006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 set. 2012.

SIQUEIRA, K. O. M.; LINO, M. V. Assistência Social e biopoder: produzindo “vulnerabilidades”, prevenindo “riscos” e normalizando as formas de viver. Mnemosine, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 35-53, 2013.

TEIXEIRA, S. M. A família na trajetória do sistema de proteção social brasileiro: do enfoque difuso à centralidade na Política de Assistência Social. Emancipação, Ponta Grossa, v. 10, n. 2, p. 535-549, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5516

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: