Arte ambiente alteridade: formação inventiva entre universidade e escola básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/2022/v34/6057

Palavras-chave:

pesquisa-intervenção, psicologia educacional, formação inventiva, escola básica, universidade

Resumo

A proposta deste trabalho é fazer ver e falar uma perspectiva ética-estética-política de formação realizada entre universidade e escola básica. Uma aposta expressa por meio de três eixos que se articulam, a saber: arte, ambiente e alteridade. Tais eixos emergem da própria ligação entre professoras da universidade e da escola, que optam por práticas inventivas em seus territórios de trabalho e criam um coletivo, propondo análises e intervenções em uma escola pública da periferia urbana do município de São Gonçalo, no estado do Rio de Janeiro. Deste modo, este trabalho é expressão de tessitura coletiva implicada para expressar o que uma pesquisa-intervenção pode criar em dimensões coletivas e desindividualizantes. Para tanto, nossa tessitura acontece na articulação entre práticas instituídas e instituintes, para enunciar o que temos feito entre escola e universidade para formar professoras e estudantes perspectivados pela invenção, pela desnaturalização do habitual e pela possibilidade de produção de outros modos de se relacionar com os outros e consigo mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luiza Gonçalves Dias Mello, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutora em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS) da UFRJ/UFF/UERJ/FIOCRUZ. Doutoranda em Educação no Programa de Pós-graduação em Educação, Processos Formativos e Desigualdades Sociais (PPGEdu) da UERJ. Possui Mestrado Acadêmico pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade (UERJ-FFP-2015); especialização lato sensu em Educação Básica - Ensino de Biologia (UERJ-FFP- 2013); graduação em Medicina Veterinária (UFF - 2008); graduação em Ciências Biológicas - Licenciatura Plena (Universo - 2011); graduação em Pedagogia (UNIRIO - 2021) e formação Técnica Profissional em Conservação e Gerenciamento Ambiental pelo Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ (2003). É professora de Ciências nas Redes Municipais de Educação de São Gonçalo (RJ) e Saquarema (RJ).

Rosimeri de Oliveira Dias, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1990), mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1998) e doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008). Fez Estágio de pós-doutorado na Universidade Federal do Espírito Santo (2017). É Professora Associada do Departamento de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação: Processos Formativos e Desigualdades Sociais da Faculdade de Formação de Professores de São Gonçalo da UERJ. Procientista da UERJ desde 2012. Jovem Cientista do Nosso Estado/FAPERJ (2016/2019). Editoria da Revista Interinstitucional Artes de Educar. É autora dos livros Deslocamentos na formação de professores: aprendizagem de adultos, experiência e políticas de cognição; Formação inventiva de professores; Entre analisar e intervir na formação de professores; Escritas de si e Ordens do discurso. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em estudos foucaultianos, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas cognitivas, aprendizagem de adultos, produção de subjetividade, experiência, arte, estética da existência e formação inventiva de professores. Coordenou a Regional Sudeste do Fórum de Editores de Periódicos de Educação - FEPAE/ANPED (2019/2021). É vice-coordenadora do FEPAE-Nacional/ANPED (2021/2023). Coordena o Grupo de Pesquisa “Oficinas de formação inventiva de professores” (OFIP/CNPq) desde 2009.

Referências

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é filosofia?. Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 4.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Lisboa: Relógio D’Água, 2004.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Trad. Fábio Landa. São Paulo: UNESP, 2002.

DIAS, Rosimeri de Oliveira. Deslocamentos na formação de professores: aprendizagem de adultos, experiência e políticas cognitivas. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

DIAS, Rosimeri de Oliveira. Formação inventiva de professores. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012.

DIAS, Rosimeri de Oliveira; SCHEINVAR, Estela. Posfácio. In: DIAS, Rosimeri de Oliveira (Org.). Formação inventiva de professores. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012. p. 147-150.

FELIPE, Sônia Teresinha. Antropocentrismo, sencientismo e biocentrismo: perspectivas éticas abolicionistas, bem-estaristas e conservadoras e o estatuto de animais não-humanos. Revista Páginas de Filosofia [online], v. 1, n. 1, p. 1-30, jan-jul/2009. https://doi.org/10.15603/2175-7747/pf.v1n1p2-30

FELIPE, Sônia Teresinha. A perspectiva ecoanimalista feminista antiespecista. Estudos feministas e de gênero: articulações e perspectivas. Florianópolis: Mulheres, 2014.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o uso dos prazeres. 7. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1994. v. 2.

FOUCAULT, Michel. Conversa com Michel Foucault. In: ______. Repensar a política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. Coleção Ditos & Escritos, v. 6, p. 289-347.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 1992.

KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Campinas: Papirus, 1999.

KASTRUP, Virgínia. Conversando sobre políticas cognitivas e formação inventiva. In: DIAS, Rosimeri de Oliveira. Formação inventiva de professores. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012. p. 52-60.

KASTRUP, Virgínia; PASSOS, Eduardo. Cartografar é traçar um plano comum. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia. Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014. p. 15-41.

LOURAU, René. Análise institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ, 1993.

MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

MELLO, Ana Luiza Gonçalves Dias. Encontros e deslocamentos em uma experiência de educação ambiental no CIEP 411 e na APA do Engenho Pequeno e Morro do Castro. In: SANTOS, Marcelo Guerra (Org.). Área de proteção ambiental do Engenho Pequeno e Morro do Castro: conservação e educação ambiental. São Gonçalo: FFP/UERJ, 2014. p. 81-96.

MELLO, Ana Luiza Gonçalves Dias. Ensaios de desnaturalização em uma experiência de educação abolicionista. 2015. 114 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade, Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2015.

ORLANDI, Luiz Benedicto Lacerda. Prefácio: Elogio ao pensamento necessário. In: ZOURABICHVILI, François. Deleuze: uma filosofia do acontecimento. São Paulo: Editora 34, 2016. p. 9-22.

PAIXÃO, Rita Leal. Sob o olhar do outro: Derrida e o discurso da ética animal. Sapere Aude, Belo Horizonte, v. 4, n. 7, p. 272-283, 2013. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/SapereAude/article/view/5507. Acesso em: 24 set. 2020.

PELBART Peter Pál. Elementos para uma cartografia da grupalidade. In: SAADI, Fátima; GARCIA, Silvana. (Org.). Próximo ato: questões da teatralidade contemporânea. São Paulo: Itaú Cultural, 2008. Disponível em: https://desarquivo.org/sites/default/files/pelbart_peter_elementos.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

POZZANA, Laura; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 52-75.

PRADO, Ayama Vera Araújo. Devir oficina musical: uma experiência de análise e de intervenção com o CIEP Municipalizado 411. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Centro de Educação e Humanidades, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2015.

ROCHA, Marisa Lopes da; AGUIAR, Katia Faria de. Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 23, n. 4, p. 64-73, 2003. https://doi.org/10.1590/S1414-98932003000400010

SÃO GONÇALO. Prefeitura Municipal. Decreto nº 054, de 19 de julho de 1991. Decreta a Área de Preservação Ambiental do Engenho Pequeno. 1991.

VASCO, Daniele Santos; DIAS, Rosimeri de Oliveira. Invenção e formação de professores entre escritas e problematizações. In: LEMOS, Flavia Cristina Silveira et al. Criações transversais com Gilles Deleuze: artes, saberes e política. Curitiba: CRV, 2016. p. 313-332.

ZOURABICHVILI, François. Deleuze: uma filosofia do acontecimento. São Paulo: Editora 34, 2016.

Downloads

Publicado

2022-06-25

Como Citar

MELLO, A. L. G. D.; DIAS, R. DE O. Arte ambiente alteridade: formação inventiva entre universidade e escola básica. Fractal: Revista de Psicologia, v. 34, p. Publicado em 25/06/2022, 25 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos