Pedagogia da “qualicidade”

Imersão na metodologia ativa sob a perspectiva da classe trabalhadora

Autores

Palavras-chave:

Metodologia ativa, Complexidade, Integral

Resumo

Este trabalho é uma interlocução entre ensino fundamental e ensino médio integrado. Foi desenvolvido a partir da percepção da necessidade de construir uma perspectiva territorial em que cada segmento assuma a responsabilidade de preparar os estudantes para operar no nível de complexidade que a etapa seguinte demanda. O presente artigo aborda um projeto piloto em que foi aplicada metodologia ativa durante dois anos acompanhando a mesma turma no 4° e 5° anos do ensino fundamental da rede pública municipal de São João da Barra/RJ. Os pressupostos epistemológicos diferenciados permitiram ressignificar o espaço e a relação formativa proporcionando enraizamento, identificação, desenvolvimento de competências e volição. Partindo do lugar da prole da classe trabalhadora, a experiência comprovou que é possível atuar no sistema de educação formal sem reproduzir o modelo de desigualdades condicionadas por estruturas pedagógicas que marginalizam exigindo que o estudante se adapte a ela ao invés dela retratar a singularidade dos contextos. Sintetizado pelo neologismo, “qualicidade”, a experiência demonstrou ser viável a gênese de uma escola em que a formação de qualidade, por ser integral, configura um processo de cultivo de felicidade individual e coletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Adão Moraes Andrade, Instituto Federal Fluminense

Mestrando do Programa Profissional de Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT), Campus Macaé, Instituto Federal Fluminense, Macaé, Brasil. Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Veiga de Almeida (UVA), Campus Cabo Frio. Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Pós-graduação Lato Sensu em Psicopedagogia Clínica e Institucional e Metodologia do Ensino de Filosofia e Sociologia pela Universidade Cândido Mendes (UCAM). Coordenador do Plano Municipal de Educação de São João da Barra.Pedagogia da “qualicidade”

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado: Nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE), 9 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal. 2003.

ARAÚJO, R. M. L.; RODRIGUES, D. S. Referências sobre práticas formativas em Educação Profissional: o velho travestido de novo ante o efetivamente novo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 36, n. 2, maio/ago. 2010.

ARRETCHE, M. T. S. Tendências no estudo sobre avaliação de políticas públicas. Terceiro Milênio. Rev. Crítica de Sociologia e Política, v.1, n. 1, jul/dez., 2013.

ARRUDA, F. P.; MORETTI, V. D. Desenvolvimento do pensamento teórico na educação profissional: em busca da superação dialética da prática. Educação Pesquisa, São Paulo, v. 45, 2019, ago. 2019.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Tradução: Lígia Teopisto. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 2003.

BEDIN, E.; PINO, J. C. D. DICUMBA: Uma proposta metodológica de ensino a partir da pesquisa em sala de aula. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc., Belo Horizonte, v. 21. abril. 2019.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2016

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BOURDIEU, P. Sobre o Poder Simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/resolucaocne_cp222dedezembrode2017.pdf. Acesso em: 15 jan 2020.

CAMARGO, F; DAROS, T. M. V. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

COLL, C.; POZO, J.I.; SARABIA, B.; VALLS, E. Os conteúdos na reforma: ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes. Porto alegre: Artmed, 2000.

DIAS, G. M.; BONOTTO, D. M. B. As escalas local e global apresentadas em teses e dissertações brasileiras de educação ambiental. Ciênc. Educ., Bauru, v. 20, n. 3, 2014. p. 703-719.

DENEAULT, A. Mediocracia: Quando os medíocres tomam o poder. Madrid: Turner Publicação SL, 2019.

FELIPETO, S. C. S. Escrita colaborativa e individual em sala de aula: uma análise de textos escritos por alunos do ensino fundamental. Alfa Rev. Linguíst., São José Rio Preto, v. 63, n. 1, jan./mar. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1981-57942019000100133&script=sci_arttext. Acesso em: 15 jan. 2020.

FLECK, M. L. S. Pedagogia de Projetos: o princípio, o fim e o meio. Rev. Psic., v.10, n. 33, supl. 2, jan. 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

GADOTTI, M. A preocupação com a especificidade da educação: a "pedagogia dos

conteúdos". In: Pensamento pedagógico brasileiro. 8. ed. São Paulo: Ática, 2004. p. 99-113.

GALVÃO, F. V. Gastos educacionais e desempenho escolar: limites e possibilidades de uma abordagem. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 49, n. 171, jan./mar., 2019

GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

GRABOWSKI, G.; KUENZER, A. Z. Produção do conhecimento no campo da educação profissional no regime de acumulação flexível. Holos, v. 32, n. 6, p. 22 – 32, 2016.

GOLEMAN, D. Liderança: A inteligência emocional na formação de um líder de sucesso. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2001.

LIBÂNEO, J. C. As teorias pedagógicas modernas resiginificadas pelo debate contemporâneo na educação. Disponível em: https://www.fclar.unesp.br/Home/Graduacao/Espacodoaluno/PET-ProgramadeEducacaoTutorial/Pedagogia/capitulo-libaneo.pdf Acesso em: 20 jan. 2020.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2013.

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação. 2 ed. São Paulo: Ed. Cortez, 2011.

MORIN E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2013.

MOURA, D. H; FILHO, D. L. L.; SILVA, M. R. Politecnia e formação integrada: confrontos conceituais, projetos políticos e contradições históricas da educação brasileira. Revista Brasileira de Educação, v. 20 n. 63 out./dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v20n63/1413-2478-rbedu-20-63-1057.pdf. Acesso em 27 nov. 2019.

PACHECO, J. Escola da ponte: formação e transformação em educação. São Paulo: Vozes Editora, 2014.

PAPALIA, D. E.; FELDMAN, R. D.; OLDS, S. W. Desenvolvimento Humano. 8 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

PARO, V. H. Administração escolar e qualidade do ensino: o que os pais ou responsáveis têm a ver com isso? Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PARO, V.H. et al. Escola de tempo integral: desafio para o ensino público. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1988.

PISTRAK, M. M. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

SANTOS, C. P.; SOARES, S. R. Aprendizagem e relação professor-aluno na universidade: duas faces da mesma moeda. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 22, n. 49, p. 353-370, maio/ago. 2011.

SANTOS, E. M.; GUTIERREZ, M. Avaliação Formativa: Instrumento para aprendizagem significativa na série do 9° ano do ensino fundamental da Escola Salesiana da Colônia – PE. Id on Line Rev. Mult. Psic., v.13, n. 46, p. 971-991, 2019.

SAVIANI, D. As concepções pedagógicas na história da educação brasileira. Campinas, UNICAMP, Projeto “20 anos do HISTEDBR”, 2005

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SMIRMAUL, B.P.C. et al. Efeitos da música eletrônica nos sistemas neuromuscular, cardiovascular e parâmetros psicofisiológicos durante teste incremental exaustivo. Revista Motricidade, Montes Claros, v.7, n.3, 2011. p.11-8.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf . Acesso em: 15 jan. 2020.

VALIM, P.C. et al. Redução de estresse pelo alongamento: a preferência musical pode influenciar? Revista Motriz, Rio Claro, v.8, n.2, 2002. p.51-6.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-19

Como Citar

Andrade, C. A. M. (2020). Pedagogia da “qualicidade”: Imersão na metodologia ativa sob a perspectiva da classe trabalhadora. Mundo Livre: Revista Multidisciplinar, 6(2), 232-248. Recuperado de https://periodicos.uff.br/mundolivre/article/view/41069

Edição

Seção

Artigos