Corpo-si: a construção do conceito na obra de Yves Schwartz

Hélder Pordeus Muniz, Kátia Maria Teixeira Santorum, Maristela Botelho França

Resumo


Este artigo trata do processo de construção do conceito de corpo-si na obra do filósofo Yves Schwartz, apreendendo a atividade humana como dramáticas de uso do corpo-si. Buscando conferir visibilidade e sistematização ao percurso de construção desse conceito, são feitas alusões ao modo como Schwartz vem retomando criticamente as contribuições de diferentes autores. Entende-se que o conceito de corpo-si contribui para a compreensão da dimensão subjetiva do trabalho, sem oferecer respostas fechadas, indicando que só é possível contribuir para a compreensão e transformação do trabalho alheio, construindo-se uma parceria que seja tanto de projeto epistêmico quanto de construção de uma sociedade comum.


Palavras-chave


psicologia do trabalho e organizacional; atividade de trabalho; trabalho e subjetividade; corpo-si; ergologia

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes. 1997. p. 277-326

BARROS, R. B. Grupo: a afirmação de um simulacro. Porto Alegre: Sulina/UFRGS, 2007.

CANGUILHEM, G. O meio e normas do homem no trabalho. Pro-posições. v. 12, n. 2-3, p. 109-121, jul. /nov. 2001.

CANGUILHEM, G. Escritos sobre a Medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 7. ed. Rio de Janeiro: Gen/Forense Universitária, 2011.

CANGUILHEM, G. O conhecimento da vida. Rio de Janeiro: Gen/Forense Universitária, 2012.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

DAMÁSIO, A. O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Lisboa: Círculo de Leitores, 2011.

DEJOURS, C. Inteligência operária e organização do trabalho: a propósito do modelo japonês de produção. In: HIRATA, H. (Org.). Sobre o modelo japonês. São Paulo: EDUSP, 1993. p. 281-309.

DEJOURS, C. Trabalho vivo: sexualidade e trabalho. Brasília: Paralelo 15, 2012. v. 1.

MENCACCI, N.; SCHWARTZ, Y.; Diálogo 1. Trajetórias e uso de si. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e Ergologia II: diálogos sobre a atividade humana. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2016. p. 17-53.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

RABARDEL, P.; PASTRÉ, P. (Org.). Modèles du sujet pour la conception: dialectiques activités dévelopement. Toulouse: Octarès, 2005.

SCHWARTZ, Y. De l’inconfort intellectuel, ou: comment penser les activités humaines? In: COURS-SALIES, P. (Coord.). La liberté du travail. Paris: Syllepse, 1995. p. 99-149.

SCHWARTZ, Y. Os ingredientes da competência: um exercício necessário para uma questão insolúvel. Educação e Sociedade, Campinas, v. 19, n . 65, p. 101-139, dez. 1998.

SCHWARTZ, Y. Trabalho e uso de si. Pro-posições, Campinas, v. 1, n. 5 (32), p. 34-50, jul. 2000a.

SCHWARTZ, Y. Conclusion générale: ergologue est-ce um métier? In: ______. Le paradigme ergologique ou un métier de Philosophe. Toulouse, Octarès, 2000b. p. 641-738

SCHWARTZ, Y. Anexo ao capítulo 1. Reflexão em torno de um exemplo de trabalho operário. In: ______. DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010a. p. 37-46.

SCHWARTZ, Y. Trabalho e uso de si. In: ______. DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010b. p. 189-204.

SCHWARTZ, Y. Qual sujeito para qual experiência? Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva - O Trabalho em Saúde, Brasília, v. 5, n. 1, p. 55-67, 2011. Disponível em: http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/916. Acesso em: 20 maio 2017.

SCHWARTZ, Y. Motivações de conceito de corpo-si: corpo-si, atividade, experiência. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 49, n. 3, p. 259-274, jul./set. 2014.

SCHWARTZ, Y.; ECHTERNACHT, E. Le corps-soi dans les millieux de travail: comment se spécifie sa compétence à vivre? Corps, n. 6, p. 31-37, 2009.

SCHWARTZ, Y.; VENNER, B. Diálogo 2. Debates de normas, “mundo de valores” e engajamento transformador. In: ______. DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e Ergologia II: diálogos sobre a atividade humana. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2016. p. 55-149.

WISNER, A. Inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro, 1994.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5877

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: