TRABALHO E EDUCAÇÃO: DEBATES EM TORNO DO PRINCÍPIO EDUCATIVO E DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO DE JOVENS E ADULTOS

Leonardo Dorneles Gonçalves, Simone Gonçalves da Silva

Resumo


Abordamos a relação de trabalho e educação no ensino médio da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e como se expressa o princípio educativo neste nível e modalidade. Sendo um estudo teórico e bibliográfico, nos valemos do debate da educação e trabalho no campo marxista. Analisamos como o princípio educativo se manifesta no ensino médio da EJA. As políticas educacionais para o ensino médio da EJA são complexas, pois há distanciamento entre as bases conceituais e o discurso oficial. Sustentam um projeto baseado na acumulação flexível, exigindo um trabalhador polivalente e induzem a formação para o mercado. O texto foi produzido no âmbito das discussões sobre as aproximações das pesquisas realizadas pelos autores em suas dissertações e teses

Palavras-chave


Ensino Médio; Educação de Jovens e Adultos; Políticas Educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. A crise da sociedade do trabalho: fim da centralidade ou desconstrução do trabalho? In: . O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005, Cap. I.

BARRETO, S. das N. O processo de alfabetização no MOVA-RS: narrativas e significados na vida de mulheres. 2005. 223f. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental). Instituto de Educação, FURG, Rio Grande/RS, 2005.

BRASIL. Constituição da República Federativa de 1988. 13. ed. Porto Alegre: CORAG, 2003.

. Lei nº 9394/1996. Institui Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em Acesso em: 05 mai 2019

. Centenário da Rede Federal De Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: SETEC/MEC, 2009. Disponível em:

Ace sso em: 04 mai 2019.

. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, sobre o FUNDEB, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1/05/43, e o Decreto-Lei no 236, de 28/02/67; revoga a Lei no 11.161, de 5/08/05; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13415.htm. Acesso em: 04 jun.2019.

. Portaria Ministerial n. 2.270, de 14 de agosto de 2002. Institui o Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e Adultos – ENCCEJA. Brasília: MEC, 2002.

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO - RS. Resolução 313/2011. Consolida normas relativamente à oferta da Educação de Jovens e Adultos – EJA, no Sistema Estadual de Ensino, e dá outras providências, em consonância com as diretrizes nacionais fixadas nas Resoluções CNE/CEB nº. 3/2010 e nº. 7/2010.

DI PIERRO, M. C de. Educação de jovens e adultos no Brasil: questões face às políticas públicas recentes. Em Aberto, Brasília, ano 11, n. 56, out./dez. p. 22-30, 1992.

; JOIA, O.; RIBEIRO, V. M. Visões da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Cadernos Cedes, ano XXI, n. 55, nov, p.58-77, 2001.

. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. Educação e Sociedade, v.26, n.92, p.1115- 1139, 2005.

ENGELS, F. Sobre o Papel do Trabalho na Transformação do Macaco em Homem. In: ANTUNES, R. A dialética do Trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

FERNANDES, F. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. São Paulo: Global, 2009.

FRANCO, L. A. C. Trabalho da escola. In: . A escola do trabalho e o trabalho da escola. 2. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1988.

FRIGOTO, G. CIAVATTA, M. RAMOS, M. A Política de Educação Profissional no Governo Lula: Um percurso histórico controvertido. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, out, p. 1087-1113, 2005.

. O trabalho como princípio educativo no projeto de educação integral de trabalhadores. In: COSTA, H. da. CONCEIÇÃO, M. Educação Integral e Sistema de Reconhecimento e certificação educacional e profissional. São Paulo: Secretaria Nacional de Formação - CUT, 2005.

GOMES, C. A. CAPANEMA, C. de F; CAMARA, J. da S; CABANELAS, L. C. Educação

e trabalho: representações de professores e alunos do ensino médio. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, jan./mar. p. 11-26, 2006.

HADDAD, S. A ação de governos locais na educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, v. 12 n. 35 maio/ago. p. 197-211, 2007.

. DI PIERRO, M. C. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, n. 14, maio/ago, p. 108-130, 2000.

. Ensino supletivo no Brasil: o estado da arte. Brasília: MEC/INEP/REDUC, 1987.

HARVEY, D. Condição Pós-Moderna. 7. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1998.

KUENZER, A. Ensino Médio no Plano Nacional de Educação 2011-2020: Superando a década perdida? Educação e Sociedade. Campinas, v.31, n.112, jul/set. p.851-873, 2010.

MARX, K. ENGELS, F. Textos sobre Educação e Ensino. 2. ed. São Paulo: Moraes, 1992.

. Processo de trabalho e processo de valorização. In: ANTUNES, R. A dialética do Trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

. Salário, preço e lucro. In: ANTUNES, R. A dialética do Trabalho: escritos de

Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

. Trabalho estranhado e propriedade privada. In: ANTUNES, R. A dialética do Trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular – Educação é a Base. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp- content/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf. Acesso em: 22. jan. 2019.

NASCIMENTO, M. N. M. Ensino médio no Brasil: determinações históricas. Publ. UEPG Ci. Hum., Ci. Soc. Apl., Ling., Letras e Artes, v. 15, n. 1, jun. p. 77-87, 2007.

NEVES, L. M. W. Brasil 2000: nova divisão do trabalho na educação. São Paulo: Xamã, 2000.

NOSELLA, P. Ensino Médio: em busca do Princípio Pedagógico. Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 117, out/dez. p. 1051- 1066, 2011.

RUMMERT, S. M. ALGEBAILE, E. VENTURA, J. Educação da classe trabalhadora brasileira: expressão do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18 n. 54 jul/set., p. 717-738, 2013.

. Mundo do Trabalho e os desafios da educação dos trabalhadores urbanos. In: PALUDO, C. (Org.). Campo e Cidade em busca de caminhos comuns. Pelotas: UFPel, 2014, p. 65-76.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2010.

SCHULTZ, T. W. O Capital Humano: Investimentos em Educação e Pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1971.

SOARES, L. As políticas de EJA e as necessidades de aprendizagem dos jovens e adultos. In: RIBEIRO, V. M. (Org.). Educação de Jovens e Adultos: Novos leitores, novas leituras. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2001, p. 201-224.

TUMOLO, P. S. O trabalho na forma social do capital e o trabalho como princípio educativo: uma articulação possível? Educação e Sociedade. v. 26, n. 90, jan/abr. p.239-265, 2005.

VIEIRA, P. A. OURIQUES, H. R. Elementos para crítica da centralidade do trabalho.

Pesquisa & Debate, v. 17, n. 2, p. 149-172, 2006.




DOI: https://doi.org/10.22409/tn.17i34.p38056

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fontes de Indexação:

        

 

Apoio:

          Resultado de imagem para abec brasil logo

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Contador de visitas
Contador de visitas

acessos a partir de 21/09/2018.