Travestis brasileiras e escola: problematizações sobre processos temporais em gêneros, sexualidades e corporalidades nômades

Adriana Sales, Leonardo Lemos de Souza, Wiliam Siqueira Peres

Resumo


O presente artigo tem como propósito problematizar os processos de subjetivação relacionados às travestilidades, atravessados pelas novas configurações das expressões de gêneros, sexualidades e corporalidades, em tempos contemporâneos. Neste sentido, tem o locus da escola como cenário para se potencializar linearidades, regularidades e ordens das construções identitárias binárias destes dispositivos diante das provocações disparadas pelas presenças de estudantes travestis e os rompimentos com as lógicas essencialistas, que nada tem a contribuir com as psicologias e produções de ciências comprometidas com as garantias de direitos básicos e sexuais das pessoas nas múltiplas diversidades humanas.


Palavras-chave


temporalidades; travestilidades; escola

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó-SC: Argos, 2009.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BENEDETTI, M. R. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BERTINI, M. J. Ni d’Éve ni d’Adam: défaire La differénce dês sexes. Paris: Max Milo, 2009.

BRAIDOTTI, R. Lo Pos-humano. Barcelona: Gedisa, 2013.

BRITZMAN, D. Curiosidade, sexualidade e currículo. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 83-111.

BUTLER, J. Gender trouble. New York: Routledge, Chapmam Hall, 1990.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando: a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995. v. 1.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1998.

ESCÓSSIA, L.; TEDESCO, S. O coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 92-108.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1984.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985. v. 1.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988. v. 1

FOUCAULT, M. Estratégias de saber e poder. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. Coleção Ditos & Escritos, v. 4.

GIDDENS, A. Mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1990.

GUATTARI, F. As três ecologias: Tradução de Maria Cristina F. Bittencourt. 11. ed. Campinas, SP: Papirus, 2001.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n. 5. p. 07-41, 1995. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2015.

LLORET, C. As outras idades ou as idades do outro. In: LARROSA, J.; LARA, N. (Org.). Imagens do outro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. p. 13-23.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; TEDESCO, S. Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014.

PELBART, P. P. O tempo não-reconciliado. São Paulo: FAPESP, 1998.

PELÚCIO, L. M. Travestis, a (re)construção do feminino: gênero, corpo e sexualidade em um espaço ambíguo. Revista Anthropológicas, ano 8, v. 15, n. 1, p. 123-154, 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.

PENEDO, S. L. El Laberinto queer: la identidad en tiempos de neoliberalismo. Barcelona: Egales, 2008.

PERES, W. S. Subjetividade das travestis brasileiras: da vulnerabilidade da estigmatização à construção da cidadania. Rio de Janeiro: PPG/Saúde Coletiva/UERJ, 2002.

PERES, W. S. O mal estar das sexualidades e dos gêneros contemporâneos e a emergência de uma psicologia queer. In: SOUZA, L. L.; GALINDO, D.; BERTOLINI, V. (Org.). Gênero, corpo e ativismo. Cuiabá, MT: UFMT, 2012. p. 39-56.

PERES, W. S. Psicologia e Políticas Queer. In: TEIXEIRA-FILHO, F. et al. (Org.). Queering: problematizações e insurgências na Psicologia contemporânea. Cuiabá: EdUFMT, 2013.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

SALES, A. Travestilidades e escola em narrativas de alunas travestis. 2012. Dissertação (Mestrado)-Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis, 2012.

SILVA, J. M. Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gêneros e sexualidades. Ponta Grossa: TODAPALAVRA, 2009.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i1/1530

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: