A dimensão psicológica da regulação no trabalho: rastreamento teórico-conceitual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5873

Palavras-chave:

regulação no trabalho, Psicologia Ergonômica, normas, renormatização

Resumo

Neste artigo buscou-se apresentar o resultado de uma etapa da investigação em curso acerca do conceito de regulação, neste momento explorando-o no interior do campo da Psicologia Ergonômica e da Ergonomia da Atividade. Frente às exigências dos novos sistemas sociotécnicos presentes nos mundos do trabalho na contemporaneidade, objetiva-se contribuir para o desenvolvimento do conceito e sua melhor utilização em Psicologia do Trabalho & Organizacional. Discutiu-se a introdução do conceito de regulação na emergência de um novo paradigma de análise de trabalho, ressaltando-se a necessidade de ponderação em seu uso no campo social. Verificou-se a existência de importantes pontos de conexão entre alguns autores, envolvendo especialmente as contribuições de Faverge, Leplat, Theureau, Canguilhem e Schwartz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cirlene de Souza Christo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

É professora no Departamento de Psicologia Social do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Possui graduação em Psicologia, mestrado e doutorado em Psicologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, com período de estágio no Atelier de Psicologia do Trabalho do Centro de Psicologia da Universidade do Porto / Portugal. Sua produção científica e atividades de ensino, pesquisa e extensão privilegiam os temas da Psicologia do Trabalho e da Saúde do Trabalhador, fazendo uso, em uma perspectiva ergológica, dos referenciais teórico-metodológicos da Ergonomia da Atividade, Clínica da Atividade e Psicodinâmica do Trabalho. Integra o grupo de pesquisa CNPq Ciência, Cuidado e Saúde na linha "Saúde e trabalho no setor público: estudos a partir das clínicas do trabalho".

Wladimir Ferreira de Souza, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Atualmente é docente (professor adjunto) do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Pós-doutorado em Saúde Pública pela Ensp/FIOCRUZ. Doutor e mestre em Psicologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da UERJ, em associação com a Université de Provence/Aix-Marseille - França (Programa de Doutorado com Estágio no Exterior - PDEE/CAPES/MEC). Graduou-se em Psicologia (Bacharelado, Formação de Psicólogo e Licenciatura) pela UERJ e concluiu a pós-graduação/especialização em Psicologia Médica e Psicossomática pela UNESA. Atua como psicólogo no campo da Saúde do Trabalhador e, como docente, dedica-se ao ensino, pesquisa e extensão, abordando, principalmente os seguintes temas: Psicologia do Trabalho & Organizacional; Saúde Mental e Trabalho; Ergologia; Ergogerenciamento; Abordagens Clínicas do Trabalho; Trabalho, Saúde e Gestão; Saúde Pública; Saúde do Trabalhador. Coordena na UERJ o Projeto de Extensão Universitária EncontrAtividade: Trabalho, Gestão e Saúde Mental. Lidera o grupo de pesquisas Actividade - Ergologia e clínicas do trabalho (UERJ/CNPq), juntamente com o professor Milton Athayde. Membro pesquisador do grupo de pesquisas PISTAS (Fiocruz/CNPq). Possui experiência de gestão/gerenciamento em alguns setores: 1) Direção geral de unidade de saúde pública; 2) Chefia de Departamento de Instituição de Ensino Superior; 3) Supervisão e gerência administrativa em instituição financeira.

Maria Elisa Siqueira Borges, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ

Professora adjunta do Departamento de Psicologia da Universidade Federal Fluminense - campus Volta Redonda (RJ). Disciplinas: Psicologia Organizacional I e II. Foi docente na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (substituta) - disciplina: Psicologia do Trabalho. Docente em diversas universidades particulares em graduação e pós graduação em Psicologia Organizacional e Gestão de Pessoas. Possui experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Trabalho e Organizacional, tendo atuado como analista e gerente de Recursos Humanos do Banco do Brasil no Rio de Janeiro por quinze anos e como sócia diretora da Diálogos - Consultoria em Gestão com Pessoas - por oito anos. Possui as seguintes graduações: Licenciatura em Psicologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1980), Psicologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1980). Especialização em Administração de Recursos Humanos pelo IAG- Instituto de Administração Gerencial - PUC-RJ e especialização em Alfabetização de Adultos pela UnB - Universidade de Brasília. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992) e Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006) com estágio na Universidade de Aix-en-Provence (França).

Milton Raimundo Cidreira de Athayde, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Atuação principal na área de Psicologia do Trabalho & Organizacional. Tem como títulos pós-doutorado em Psicologia do Trabalho (Universidade do Porto - Portugal, com Marianne Hélène Lacomblez, bolsa CAPES), pós-doutorado em Ergologia (Université d'Aix-Marseille - França, com Yves Schwartz, bolsa CNPq), doutorado em Engenharia de Produção / Gerência da Produção / Ergonomia (COPPE/UFRJ, com Mario Vidal, bolsa CAPES), mestrado em Educação de Adultos (CE/UFPB, com Francisco Foot Hardman /UNICAMP), com Licenciatura em Psicologia e Formação de Psicólogo. Atualmente é docente-pesquisador no Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Foi docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social. Coordena o Grupo de Pesquisa Actividade / UERJ/CNPq. Desde sua fundação é membro do Comitê Científico Internacional da revista eletrônica bilíngue Laboreal. Coordenou o GT "Modos de Vida e Trabalho: o ponto de vista da atividade", da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP). Desenvolve pesquisas e consultorias pertinentes aos mundos do trabalho nas organizações, em uma perspectiva transaberes e multiprofissional, com vistas a desenvolver as possibilidades de sinergia positiva entre as exigências de produtividade & qualidade e as garantias de saúde & segurança/fiabilidade. Foi pesquisador do CNPq, tendo sido Procientista da UERJ/FAPERJ desde 1999.

Referências

BERTALANFFY, L. The theory of open system in physics and biology. Science, n. 111, p. 23-29, 1950.

BRUNER, J. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

CANGUILHEM, G. Régulation, épistémologie. Encyclopædia Universalis, 1968. Disponível em: https://www.universalis.fr/encyclopedie/regulation-epistemologie/. Acesso: 2 maio 2016.

CANGUILHEM, G. Escritos sobre a medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico (1966). Rio de Janeiro: Forense, 2011.

CANGUILHEM, G. Résistance, philosophie biologique et histoire des sciences (1940-1965). Paris: Vrin, 2015. Œuvres complètes, t. 4.

CANGUILHEM, G. Meio e normas do homem no trabalho (1947). Pro-posições, Campinas, SP, v. 12, n. 2-3, p. 109-121, mar. 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643999. Acesso em: 20 maio 2017.

CANNON, W. B. A sabedoria do corpo. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1946.

CHAPANIS, A.; GARNER, W. R.; MORGAN, C. T. Applied experimental psychology: human factors in engineering design. New York: J. Wiley, 1949.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

DANIELLOU, F. (Org.). Questões epistemológicas acerca da Ergonomia. In: ______. A Ergonomia em busca de seus princípios: debates epistemológicos. São Paulo: Edgard Blücher, 2004. p. 1-18.

DEJOURS, C. Travail: usure mentale – essay de psychopatologie du travail. Paris: Le Centurion, 1980.

DEJOURS, C. (Org.). Plaisir et souffance dans le travail (1987). Paris: CNRS/AOCIP, 1988. v. 1 e 2.

DEJOURS, C. O fator humano. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

DEJOURS, C. O trabalho vivo. Brasília: Ed. 34, 2010. v. 1 e 2.

DURRIVE, L. L’expérience des normes: comprendre l‘activité avec la demarche ergologique. Toulouse: Octarès, 2015.

DURRIVE, L. A atividade humana, simultaneamente intelectual e vital. Trabalho, Educação e Saúde, v. 9, supl.1, p. 47-67, 2011.

DURRIVE, L. SCHWARTZ, Y. Glossário da Ergologia. Laboreal, v. 4, n. 1, p. 23-28, 2008.

FAVERGE, J.-M. L’analyse du travail en terme de régulation. In: FAVERGE, J.-M. et al. (Org.). L’ergonomie des processus industriels. Bruxelles: Université Libre de Bruxelles, 1966a. p. 33-60.

FAVERGE, J.-M. Introduction. In: FAVERGE, J.-M. et al. (Org.). L’ergonomie des processus industriels. Bruxelles: Université Libre de Bruxelles, 1966b, p. 7-14.

FAVERGE, J.-M. L’analyse du travail. In: FRAISSE, P. (Org.). Traité de Psychologie Appliquée. Paris: PUF, 1972. v. 3, p. 5-60.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da Ergonomia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.

HOC, J.-M.; DARSES, F. Psychologie ergonomique: tendances actuelles. Paris: PUF, 2004.

KARNAS, G. Psychologie du Travail. Paris: PUF, 2002.

LACOMBLEZ et al. Marianne Lacomblez e a construção de uma Psicologia da atividade de Trabalho. Cadernos de Psicologia Social e do Trabalho, v. 19, n. 1, p. 121-133, 2016.

LAVILLE, A.; TEIGER, C.; DURAFFOURG, J. Conséquences du travail répétitif sous cadence sur la santé des travailleurs. Paris: CNAM, 1972. Coleção Ergonomia e Neurofisiologia, n. 29.

LE BLANC, G. Canguilhem et les normes. Paris: PUF, 1998.

LE BLANC, G. Canguilhem et la vie humaine. Paris: Quadrige/PUF, 2010.

LEPLAT, J. La psychologie du travail en ergonomie. In: M. REUCHLIN, M. (Dir.). Traitée de psychologie appliquée. Paris: PUF, 1972. v. 3, cap. 2, p. 60-136.

LEPLAT, J. La Psychologie ergonomique. Paris: PUF, 1980.

LEPLAT, J. Quelques aspects de la complexité em ergonomie. In: DANIELLOU, F. (Org.). L’Ergonomie em quête de ses príncipes: débats épistémologiques. Toulouse: Octarès, 1996. p. 57-76.

LEPLAT, J. Regards sur l’ activité en situation de travail: contributions à la psychologie ergonomique. Paris: PUF, 1997.

LEPLAT, J. La notion de régulation dans l’analyse de l’activité. Perspectives interdisciplinaires sur le travail et la santé, v. 8, n. 1, 2006. doi: 10.4000/pistes.3101

LEPLAT, J. Mélanges ergonomiques: activité, compétences, erreur. Toulouse: Octarès, 2011.

FAVERGE, J.-M.; LEPLAT, J.; GUIGUET, B. L’adaptation de la machine à l’ homme. Paris: PUF, 1958.

LHUILER, D. Cliniques du travail. Paris: Érès, 2007.

MATURANA, H.; VARELA, F. De máquinas e seres vivos: autopoïesis, a organização do vivo. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MONTMOLLIN, M. L’ intelligence de la tâche: élements d’ergonomie cognitive. Berna: Peter Lang, 1986.

MONTMOLLIN, M. (Org.). Vocabulaire d’Ergonomie. 2. ed. rev. e ampl. Toulouse: Octarès, 1997.

MONTMOLLIN, M.; PLASTRÉ, P. (Org.). Le taylorisme. Paris: La Découverte, 1984.

MURREL, K. Ergonomics: man in his working environment. Londres: Chapman and Hall, 1965.

NEWELL, H.; SIMON, A. Human problem solving. New Jersey: Prentice-Hall, 1972.

OMBREDANE, A.; FAVERGE, J.-M. L’analyse du travail. Paris: PUF, 1955.

PINSKY, L. Concevouir por l´action et la communication: essais d’ergonomie cognitive. Berna: Peter Lang, 1992.

ROTH, X. De la renormalisation : prolégomènes à une critique de la raison ergologique. Ergologia, n. 1, p. 123-132, jan. 2009.

SANCOVSCHI, B. Contribuições da abordagem autopoiética-enativa ao conceito de adaptação psicológica. Informática na Educação: teoria e prática, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 59-69, jul.-dez. 2009.

SCHWARTZ, Y. Le paradigme ergologique ou um métier de philosophe. Toulouse: Octarès, 2000.

SCHWARTZ, Y. Ergonomia, filosofia e exterritorialidade. In: DANIELLOU, F. (Org.). A Ergonomia em busca de seus princípios: debates epistemológicos. São Paulo: Edgard Blücher, 2004, p. 141-180.

SCHWARTZ, Y. Expérience et connaissance du travail (1988). Paris: Eds. Sociales, 2012.

SCHWARTZ, Y. O homem, o mercado e a cidade. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.) Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. ampliada. Niterói: EDUFF, 2010. p. 247-273.

SCHWARTZ, Y; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. ampliada. Niterói: EDUFF, 2010.

SHANNON, C.; WEAVER, W. A teoria matemática da comunicação. São Paulo: DIFEL, 1975.

SPÉRANDIO, J. C. La psychologie en ergonomie. Paris: PUF, 1980.

TAYLOR, F. Princípios da administração científica (1911). 8. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

TEIGER, C. L’organisation temporelle des activités. In: LÉVY-LEBOYER, C.; SPERANDIO, J. C. (Org.). Traité de psychologie du travail. Paris: PUF, 1987. p. 659-682.

THEUREAU, J. Le cours d’action: analyse sémiologique – Essai d’une anthropologie cognitive située. Berne: Peter Lang, 1992.

THEUREAU, J. Analyse du travail. In: MONTMOLLIN, M. (Org.). Vocabulaire de l’ Ergonomie. Toulouse: Octarès, 1995. p. 33-39.

THEUREAU, J. Le cours d´action: méthode élémentaire (1992). Toulouse: Octarès, 2004a.

THEUREAU, J. L’hypothèse de la cognition (ou action) située et la tradition d’analyse du travail de l’ergonomie de langue française. @ctivités, v. 1, n. 2, p. 11-25, 2004b. Disponível em: http://www.activites.org/v1n2/theureau.pdf. Acesso em: 12 out. 2016.

THEUREAU, J. Le cours d´action: méthode dévelopée. Toulouse: Octarès, 2006.

THEUREAU, J. Le cours d’action. L’enaction et l’expérience. Toulouse: Octarès. 2015.

WISNER, A. Inteligência no trabalho: textos selecionados de Ergonomia. São Paulo: Fundacentro, 1993.

WISNER, A. Réflexions sur l’ergonomie (1962/1995). Toulouse: Octarès, 1995a.

WISNER, A. La cognition et l’ action situées: consequences pour l’ analyse ergonomique du travail et l´antropotechnologie. In: ______. Réflexions sur l’ Ergonomie (1962/1995). Toulouse: Octarès. 1995b. p. 141-158.

WISNER, A. Questões epistemológicas em Ergonomia e em análise do trabalho. In: DANIELLOU, F. A Ergonomia em busca de seus princípios: debates epistemológicos. São Paulo: Edgar Blücher, 2004. p. 29-56.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

Christo, C. de S., Souza, W. F. de, Borges, M. E. S., & Athayde, M. R. C. de. (2018). A dimensão psicológica da regulação no trabalho: rastreamento teórico-conceitual. Fractal: Revista De Psicologia, 30(2), 94-102. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5873

Edição

Seção

Dossiê Psicologia, modos de vida e trabalho: mobilizando um patrimônio de conceitos e autores