O lugar do quantitativo na pesquisa cartográfica

Janaína Mariano César, Fabio Hebert da Silva, Pedro Paulo Gastalho de Bicalho

Resumo


Este texto se propõe discutir as noções de qualitativo e quantitativo no âmbito da pesquisa cartográfica, com ênfase neste último. Estas estão articuladas na direção ético-política de um plano de inseparabilidade entre formas e forças, não restritas à perspectiva dicotômica entre “quali” e “quanti”.  A partir de dois casos de pesquisa, em suas específicas estratégias, um teste psicológico e um questionário de medição de transtornos mentais leves, busca problematizar os efeitos da operação do quantitativo como uma das pistas possíveis ao método da cartografia: a noção de quantitativo como quantum de forças e do qualitativo como diferencial entre quanta de forças, imiscuídas na produção do real.


Palavras-chave


Metodologia de pesquisa; Método da Cartografia; Quantitativo; Qualitativo

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, E. M.; BARROS, M. E. B.; OLIVEIRA, S. P. Falando de metodologia de pesquisa. Estudos e pesquisas em psicologia, Rio de Janeiro: ano 5, n. 2, p. 18-28, 2005.

POZZANA, L.; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 52-75.

DELEUZE, G. Nietzsche e a filosofia. Rio de Janeiro: Rio/SEMEION, 1976.

DESPRET, V. Leitura etnopsicológica do segredo. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 23, n. 1, p. 5-28, jan./abr. 2011.

ESCÓSSIA, L. da; TEDESCO, S. O coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 92-108.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, M. Mesa redonda em 20 de Maio de 1978. In: MOTTA, M. B. da (Org.). Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. Coleção Ditos & Escritos, v. 4, p. 335-351.

KASTRUP, V.; BEVEVIDES DE BARROS, R. Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 76-91.

LOURAU, R.; LAPASSADE, G. Para um conhecimento da sociologia. Lisboa: Assírio & Alvim, 1975.

MINAYO, M. C. S; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementariedade? Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set., 1993.

MORANA, H. C. P. Identificação do ponto de corte para a escala PCL-R (Psychopathy Checklist Revised) em população forense brasileira: caracterização de dois subtipos de personalidade; transtorno global e parcial. 2003. 178f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2003.

NIETZSCHE, F. W. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

PASCHOAL, A. E. A dinâmica da vontade de poder como proposição moral nos escritos de Nietzsche. 1999. 272 f. Tese (Doutorado)__Departamento de Filosofia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), 1999.

PASSOS, E; BENEVIDES DE BARROS, R. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009a. p. 17-31.

PASSOS, E.; BENEVIDES DE BARROS, R. Por uma política da narratividade. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009b. p. 150-171.

RAUTER, C. M. B. Criminologia e Subjetividade no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

ROQUE, T. Isabelle Stengers. Penser avec Whitehead: une libre et sauvage creation de concepts (resenha). Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 106-111, jan.-jun. 2008.

SERAPIONI, M. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: algumas estratégias para a integração. Ciência & Saúde Coletiva, [S.l.], v. 5, n. 1, p.187-192, 2000.

TURATO, E. R. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 39, n. 3, p. 507-514, 2005.

WHITEHEAD, A. N. Os fins da educação e outros ensaios. São Paulo: Nacional / USP, 1969.

WHITEHEAD, A. N. A ciência e o mundo moderno. São Paulo: Paulus, 2006.

YAMADA, L. T. O horror e o grotesco na psicologia: avaliação de psicopatia através da Escala Hare – PCLR. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia)__Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: