Edições anteriores

2020

Capa da revista

v. 5, n. 10 (2020): GEOGRAFIA E PANDEMIA DA COVID-19: POSSIBILIDADES E RUPTURAS

Marco Zero, centro de Recife - PE. 20 de março, às 19:47h.


Fotojornalista Ed Machado.
Graduado em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas (UFPE). Qualificação como Fotógrafo pelo Senac-PE. Bacharel em Fotografia (AESO Barros Melo). Atualmente fotojornalista da Folha de Pernambuco.  E-mail: contato@edmachado.com.br Site: edmachado.com.br  

A praça Barão do Rio Branco, popularmente conhecida como Marco Zero do Recife, é o mais conhecido ponto turístico da cidade, instalado em 1938. Sempre repleta de visitantes, o espaço reúne turistas, comerciantes informais, jovens e adultos com skates, patins e bicicletas. Durante os fins de semana o fluxo de pessoas é ainda maior, principalmente no período da tarde. Desde o início da pandemia do Coronavírus o Marco Zero tem se transformado neste cenário vazio, onde se destacam a arquitetura dos prédios, que misturam traços modernistas à influência da arquitetura francesa. O amplo piso colorido realça a grandiosa Rosa dos Ventos, do pintor Cícero Dias, rodeada pelas palavras que entitulam sua obra "Eu vi o mundo e ele começava no Recife". Durante os últimos meses, tem predominado o silêncio e a dúvida de quando a velha rotina do espaço será restabelecida.     
Capa da revista

v. 5, n. 9 (2020): GEOGRAFIA E PANDEMIA DA COVID-19: POSSIBILIDADES E RUPTURAS

Recife-PE, zona norte, com vista para o bairro do Rosarinho. 26 de março - 17:50h.  Depois de alguns anos habituado a fotografar diariamente nos mais distintos ambientes no qual a profissão me insere, tenho ficado distante das ruas como grande parte da população. No meu caso, não somente pela pandemia, mas também em decorrência das férias do trabalho. Diante das novas condições, tenho dedicado mais tempo a observar a cidade pela janela do quarto ou na varanda. A redução do fluxo de pessoas e dos veículos nas ruas permite uma melhor percepção do espaço, tanto do concreto imóvel como da natureza ainda presente na pouca vegetação e no céu com seus variados tons. O fim de tarde sempre me atraiu, não à toa foi tema de um dos meus trabalhos. É o momento do dia em que costumo apreciar a rápida alteração das temperaturas de cor da luz natural e a transição para o comportamento noturno da cidade, com o acender das luzes dos prédios e das ruas. A fotografia em questão é o fragmento de um desses momentos de reflexão e distração visual, com a câmera na mão, de uma janela para tantas outras.  DO AUTOR:Ed Machado, fotojornalista.Graduado em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas (UFPE), Qualificação como Fotógrafo pelo Senac-PE, Bacharel em Fotografia (AESO Barros Melo). Atualmente fotojornalista da Folha de Pernambuco.  e-mail: contato@edmachado.com.br site: edmachado.com.br




1 a 10 de 10 itens