Eles querem menos, elas querem mais: as reivindicações por trabalho na 1ª JCJ de Porto Alegre (1941-1945)

Autores

Palavras-chave:

Processos Trabalhistas – Reclamações – Trabalhadoras.

Resumo

O principal objetivo da pesquisa é analisar os tipos de reclamações das trabalhadoras e dos trabalhadores que iniciaram ações na 1ª Junta de Conciliação e Julgamento (1ª JCJ) de Porto Alegre. Essas ações foram ajuizadas contra algumas indústrias da região, desde a instalação da Justiça do Trabalho (1941) até o final do Estado Novo (1945), um período caracterizado pelo crescimento industrial e disputas trabalhistas. Primeiramente, será apresentado um breve panorama do caminho percorrido pelo/a trabalhador/a até ajuizar sua reclamação. Na sequência, serão analisados mais detalhadamente os processos selecionados e categorizados em alguns grupos temáticos elaborados a partir das reclamações. Por fim, serão apresentados dois exemplos de reclamações sobre as suspensões disciplinares permitindo uma discussão sobre o trabalho feminino, nas distintas demandas das trabalhadoras, por vezes opostas às dos homens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Bartmann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em História na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), bolsista Capes. Pesquisa atualmente sobre História Social do Trabalho a partir dos processos trabalhistas tramitados na década de 1940.

Referências

BAK, Joan. Classe, etnicidade e gênero no Brasil: a negociação de identidade dos trabalhadores na Greve de 1906, em Porto Alegre. Métis: história & cultura, v. 2, n. 4, jul./dez., 2003, p. 181-224.

BATALHA, Cláudio H. M. Cultura Associativa no Rio de Janeiro da Primeira República. In.: Batalha, Claudio H. M.; Silva, Fernando Teixeira da; Fortes, Alexandre (orgs.). Culturas de Classe. Campinas: Editora Unicamp, 2004.

BIROLI, Flávia. Divisão Sexual do Trabalho e Democracia. Dados – Revista de Ciências Sociais, vol. 59, nº 3, 2016, p. 719 a 754.

CORREA, Larissa Rosa. Sobre o direito de reclamar: os primeiros conflitos trabalhistas tramitados na Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro. In.: DROPPA, Alisson; LOPES, Aristeu E. M.; SPERANZA, Clarice G. (orgs.). História do Trabalho Revisitada. São Paulo: Paco Editorial, 2018.

FORTES, Alexandre. Nós do quarto distrito: a classe trabalhadora porto-alegrense e a era Vargas. Caxias do Sul: Garamond, 2004. (Coleção ANPUHRS).

FRENCH, John D. Afogados em Leis: a CLT e a cultura política dos trabalhadores brasileiros. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001.

GOMES, Ângela Maria de Castro. Retrato falado: a Justiça do Trabalho na visão de seus magistrados. Revista de Estudos Históricos: Direitos e Cidadania, n.37, p.51-79, 2006.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In.: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; DOARÉ, Hélène Le; SENOTIER, Danièle. (Orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Unesp, 2009.

LOBO, Valéria Marques. Por que tecelões e metalúrgicos vão aos tribunais? − posição da indústria e reclamações ao judiciário trabalhista entre as décadas de 1940 e 1960. Mundos do Trabalho, vol. 5, n. 10, jul.-dez., 2013, p. 183-198.

MAGANO, Octavio Bueno. Dicionário Jurídico-econômico das Relações de Trabalho. São Paulo: Saraiva, 2002.

MORAES, Roque. Análise de Conteúdo: possibilidades e Limites. In: ENGELS, M. E. A. Paradigmas e Metodologias de Pesquisa em Educação. EDIPUCRS: Porto Alegre, 1994.

PAOLI, Maria Célia. Trabalhadores Urbanos na fala dos outros. Tempo, espaço e classe na história do trabalho brasileira. In: LOPES, José Sérgio Leite. Cultura & Identidade Operária: aspectos da cultura da classe trabalhadora. Rio de Janeiro: Marco Zero, Editora UFRJ, 1987.

RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. In: PRIORI, Mary Del; PINSKY, Carla Bassanezi. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2017.

REZENDE, Vinícius Donizete de. Da Gratidão à Luta por Direitos: A Regulamentação das Relações de Trabalho na “Capital do Calçado” (Franca – SP, 1940-1980). In: GOMES, Ângela de Castro; SILVA, Fernando Teixeira da. A Justiça do Trabalho e sua História. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

SCOTT, Joan. Gênero: Uma categoria útil de análise Histórica. In.: Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, nº 2, p. 71-99, jul/dez. 1995.

SOUZA, Samuel Fernando de. “Coagidos ou Subornados”: trabalhadores, sindicatos, Estado e as leis do trabalho no ano de 1930. 2007. 228 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

SPERANZA, Clarice. Cavando direitos: as leis trabalhistas e os conflitos entre trabalhadores e patrões nas minas do Rio Grande do Sul nos anos 40 e 50. 2012. 272 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFRGS, 2012.

_______. Nos Termos das Conciliações: Os acordos entre Mineiros de Carvão do Rio Grande do Sul e seus Patrões na Justiça do Trabalho entre 1946 e 1954. In: GOMES, Ângela de Castro; SILVA, Fernando Teixeira da. A Justiça do Trabalho e sua História. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

THOMPSON, Edward Palmer. Senhores e Caçadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

VIANA, Oliveira. Problemas de Direito Corporativo. Edição 2. Brasília: Câmara dos Deputados, 1983.

Downloads

Publicado

2021-01-25

Como Citar

Bartmann, T. (2021). Eles querem menos, elas querem mais: as reivindicações por trabalho na 1ª JCJ de Porto Alegre (1941-1945). Revista Cantareira, (34). Recuperado de https://periodicos.uff.br/cantareira/article/view/44212

Edição

Seção

Dossiê Temático